Terra ao vivo vista do espaço. Acompanhe o link ao vivo da Estação Espacial Internacional (ISS).

A Terra vista do espaço ao vivo, 24hs por dia; companhe o link ao vivo da Estação Espacial Internacional (ISS).
Broadcast live streaming video on Ustream

Condições atmosfericas em tempo real

Inscrições abertas

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Mulheres X Trabalho

ONU quer equilíbrio entre trabalho e família

Estudo da OIT e do Pnud diz que cerca de 100 mil trabalhadoras da América Latina e do Caribe sofrem com falta de melhores políticas sociais de apoio às mulheres.

Estudo sugere mais políticas

Estudo sugere mais políticas

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Um relatório das Nações Unidas revela que mais de 100 mil mulheres que trabalham na América Latina e no Caribe estão sofrendo com a falta de equilíbrio entre família e profissão.

O documento, divulgado nesta quinta-feira, em Genebra, na Suíça, sugere que a resposta adequada ao problema é um passo importante no progresso do equilíbrio entre os sexos.


Obrigação

O estudo "Trabalho e Família: Uma Nova Chamada às Políticas Públicas de Reconciliação com Co-Responsabilidade Social" foi preparado pela Organização Internacional do Trabalho, OIT, e pelo Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud.

A representante da OIT no Brasil, Laís Abramo, que compareceu ao lançamento, disse à Rádio ONU, de Genebra, que o trabalho doméstico ainda é visto por muitos como uma obrigação feminina.

Faixa Etária

"Enquanto não houver um melhor equilíbrio das tarefas domésticas e não se superar a visão de que a mulher é, por excelência, a responsável pelo trabalho doméstico, não haverá as mesmas inserções de homens e mulheres no mercado de trabalho", afirmou.

Segundo o relatório da ONU, 53% das mulheres latino-americanas e caribenhas estão trabalhando fora. Na faixa etária de 20 a 40 anos, a mão-de-obra feminina é de 70%.

Economia Informal

A falta de equilíbrio entre família e profissão causa problemas que afetam o desempenho, a estabilidade e o compromisso da mulher no emprego.
O relatório também mostrou políticas que têm dado certo em vários países. Mas de acordo com a OIT, muitas mulheres não recebem a cobertura por atuarem na economia informal.

O documento também alertou para a disparidade salarial de homens e mulheres. Em média, as trabalhadoras da América Latina recebem apenas 70% do ordenado de um empregado do sexo masculino.

Mercado

Para Laís Abramo, apesar da desvantagem existir em todo o mundo. Nos países em desenvolvimento, a situação é mais desfavorável.

"As mulheres se concentram em tipos de ocupação e profissões que são menos valorizadas no mercado de trabalho e por isso acabam recebendo menos. Este é um tema central em políticas de liberdade de gênero", informou.

As duas agências da ONU recomendaram uma série de medidas e estratégias públicas, mas que também envolvem sindicatos, organizações sociais e trabalhadores.

Também participou do lançamento do relatório em Genebra, a ministra da Secretaria Especial de Política para Mulheres, Nilcéa Freire.

Postar um comentário

*

*
Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

*

*

Postagens populares da semana - Veja no rodapé do blog o índice completo de postagens

.

Marcadores - Índice de postagens por ordem alfabética